Miguel - Príncipe Arcanjo da Guerra

Miguel - Príncipe Arcanjo da Guerra

Miguel - E sua Batalha contra o Dragão

Miguel - E sua Batalha contra o Dragão

Miguel - O Arcanjo Guerreiro

Miguel - O Arcanjo Guerreiro

 

A Persistência da Pobreza nos Países Capitalistas

Capitalismo produz pobreza em países

Fala-se muito hoje em uma nova era de conhecimentos e de um mundo antigo atual já ultrapassado com seus equívocos que impedem o avanço moralizado do planeta e o capitalismo e um destes mal como parte deste mundo antigo.

Sua razão de existir e funcional, tem sido em transformar toda a força, trabalho, ciência, atividades, energias e riquezas naturais em elemento de poder e lucros á uma classe mínima dominante.

Elas se abstem-se até das responsabilidades nos exploramentos graças o suborno de governos e todos que podem comprar, produzindo a exaustãos dos recursos naturais, pobresa de grande parte das populações e a centralização do poder.

Riquezas piramide domínio

Vamos entender neste artigo abaixo do (www.sciencedirect.com) de como e sempre oculto das propagandas midiáticas fabricadas, o capitalismo só gerou pobreza e continua.

Valter J.Amorim (A Espada de Miguel)

A Pobreza nos países pelo capitalismo

Victor Manuel Isidro Luna 1

O artigo descreve a persistência da pobreza em países desenvolvidos como Europa e Estados durante o neoliberalismo. Afirmamos que tanto a escola clássica e neoclásica não tem as ferramentas suficientes para analizar as evoluções da pobreza no capitalismo. Os primeiros conceitualizam a pobreza como uma vida mínima nos seres humanos, e os segundos que a redução da pobreza se basa na redução de salários. Argumentamos que sob as idéias de Marx podem entender as evoluções da pobreza na atualidade.

Pobreza grande cidades

1. Introdução

O fracasso do capitalismo na grande maioria do Terceiro Mundo tornou-se aparente na década de 1960, na década de 1970, porque durante esse período países com altas taxas de crescimento sofreram uma miríade de problemas, incluindo o aumento da desigualdade e da pobreza ( Sen, 1985 ; Cornia, 1974 ), Desde a década de 1980 até os dias de hoje, os países pobres enfrentaram estagnação econômica e crises. Na década de 2000, o capitalismo falhou nos países desenvolvidos. Por um lado, alguns desses países, incluindo os Estados Unidos, sofreram estagnação econômica e os níveis de pobreza são mais elevados do que os que prevaleceram durante a década de 1970. Por outro lado, outros países, como os da Europa, sofreram estagnação e redução mínima da pobreza durante a década de 2000. Hoje, o mundo está na mais profunda crise econômica desde a Grande Depressão.

De acordo com o ponto de vista ortodoxo, a pobreza é definida como a incapacidade de alcançar um nível mínimo de existência, assumindo que a principal maneira pela qual as pessoas obtêm seus meios de subsistência no capitalismo é através da venda de sua força de trabalho. Se os salários fossem aumentados, o resultado seria mais pobreza devido ao aumento do desemprego. Os salários mais baixos provocam um maior nível de emprego, e salários mais altos provocam níveis mais altos de desemprego. Com base no materialismo histórico, rejeitamos as idéias mencionadas anteriormente e afirmamos que a pobreza é inerente ao capitalismo e que um menor padrão de vida e salários mais baixos são necessários no capitalismo para sua perpetuação.

Este artigo prossegue da seguinte forma. Após esta breve introdução, a evolução da pobreza nos Estados Unidos e na Europa está descrita na Seção 2. Na seção 3, o conceito de pobreza e suas causas, com base em raízes clássicas e neoclássicas, é examinado. Na Seção 4, descrevemos por que as explicações neoclássicas da pobreza se tornaram tão dominantes no presente. Na seção 5, oferecemos uma refutação a idéias clássicas e neoclássicas baseadas nas bases de Karl Marx. As observações finais são apresentadas na seção 6.

2. Evolução da pobreza nos EUA e na Europa

Os pesquisadores observaram o aumento surpreendente das taxas de pobreza nos anos 90 e 2000 em países desenvolvidos. Afinal, há muitos anos atrás, R. Brenner (2002) relatou como Alan Greenspan (ex-presidente da Reserva Federal) caracterizou a década de 1990 como a era mais impressionante na produção de capacidade na história dos EUA. No entanto, apesar da avaliação de Greenspan, houve mais pessoas pobres nos Estados Unidos em 2012 do que em 1970.

De 1963/64 a 1973/74, a pobreza diminuiu acentuadamente de 19 para 11,1%, o que no momento era o nível mais baixo desde a Segunda Guerra Mundial (Levine, 2001) (ver Figura 1 ). 1 O declínio da taxa de pobreza foi, em certa medida, devido ao programa de combate à pobreza estabelecido em 1964 pelo presidente Lyndon Johnson (1963-1969) (ver Lowe, 1989; Hobsbawm 2003;Ciocca, 2000; Levine, 2000). No entanto, este programa terminou em 1974, talvez em consonância com a crise mundial de 1973/74. Desde então, a taxa de pobreza experimentou altos e baixos cíclicos, com três picos em 1983, 1993 e 2010. Durante 1983, a taxa de pobreza foi de 15,2%, e em 1993 e 2010 a taxa foi de 15,1%. Duas variáveis ​​parecem influenciar na evolução do índice de pobreza: (1) a taxa de desemprego,

Salario produção EUA

Figura 1.

Índice de pobreza da população nos EUA

Fonte: elaboração do autor com dados do Census Bureau 2014.

A taxa de pobreza média foi de 13,4% de 1959 a 2012 (linha tracejada horizontal na Figura 1). É claro que, após a década de 1980, a população dos EUA ficou bem acima desse ponto (ver Figura 1). Pode-se notar que a melhor maneira de descrever as taxas de crescimento da pobreza nos Estados Unidos é uma linha com inclinação positiva (ver Figura 2). No entanto, esta abordagem tem dois problemas: (1) a linha ajustada explica muito pouco devido às flutuações das séries temporais e (2) as séries temporais não parecem exibir nenhuma tendência clara (ver Apêndice, Tabela 1A. Teste para raízes da unidade) .

Pobreza crescimento EUA

Figura 2.

Taxas de crescimento na taxa de Pobreza e na Linha de Tendências (linear). R-quadrado = 13%

Fonte: elaboração do autor com dados do Census Bureau 2014 .

Para uma série de tempo que não possui uma tendência clara, mas pode exibir várias, uma ferramenta útil para examinar tais tendências é um alisamento exponencial, que pode ser feito usando o filtro Holt-Winters (ver Kleiber e Ceileis 2008; Copertwait e Metcalfe, 2009). Assim, parece que a taxa de crescimento do índice de pobreza tem três tendências crescentes (ver Figura 3): (1) de taxas negativas para quase zero da década de 1970 ao início dos anos 80, (2) através de aumentos moderados até o final do período 1980 e (3) até a década de 2000 com uma taxa de crescimento cada vez maior.

Índice crescimento pobreza EUA

Figura 3.

Suavização exponencial.

Método Holt Winters. Α = 0. 6209

Fonte: elaboração do autor com dados do Census Bureau 2014 .

Além deste comportamento da taxa de pobreza, a exploração e as desigualdades aumentaram nos EUA. Conforme mostrado na Figura 4 , a produtividade cresceu juntamente com os salários reais por hora de 1955 a 1969 (principalmente os anos keynesianos), mas a partir de 1970, os trabalhadores nos EUA produziram mais, mas foram pagos menos. Essas condições foram exacerbadas durante os anos 2000.

índice pobreza EUA

Figura 4.

Produtividade e índices salariais por hora nos Estados Unidos

Fonte: Elaboração do autor a partir de dados da Moody’s Analytics, 2014 e do Departamento de Trabalho, 2014 .

Para a Europa, não há uma série de tempo prolongada do índice de pobreza, como é o caso nos Estados Unidos. Hobsbawm (1993), Glynn (2006) e Lepianka et al. (2010) apontaram que, após a crise de 1973/74, a pobreza na Europa aumentou devido ao aumento do desemprego e à diminuição dos salários reais. Analisando o período recente, pode-se concluir que a redução da pobreza aumentou nos maiores países da Europa de 2005 a 2013 (ver Tabela 1). Esta situação é o caso na Alemanha, França, Espanha e Itália. A única grande economia onde a taxa de pobreza permaneceu constante é o Reino Unido. Em pequenas economias ou países com uma pequena população, as experiências têm sido diversas. Alguns países, como a Irlanda e a Grécia, aumentaram seus níveis de pobreza, Mas em muitos dos países das chamadas economias em transição, as taxas de pobreza diminuíram. Esta situação é o caso da República Checa, da Estónia, da Letónia, da Lituânia, da Polónia e da Eslováquia. Considerando a desigualdade, Ciocca (2000) sugere que houve uma diminuição desse indicador durante as primeiras décadas após a Segunda Guerra Mundial devido ao compromisso do Estado keynesiano; No entanto, a partir da década de 1970, a desigualdade piorou na Suécia, no Reino Unido, na Alemanha, na França e na Itália (ver também Glyn, 2006). Ciocca (2000) sugere que houve uma diminuição neste indicador durante as primeiras décadas após a Segunda Guerra Mundial devido ao compromisso do Estado keynesiano; No entanto, a partir da década de 1970, a desigualdade piorou na Suécia, no Reino Unido, na Alemanha, na França e na Itália (ver também Glyn, 2006). Ciocca (2000) sugere que houve uma diminuição neste indicador durante as primeiras décadas após a Segunda Guerra Mundial devido ao compromisso do Estado keynesiano; No entanto, a partir da década de 1970, a desigualdade piorou na Suécia, no Reino Unido, na Alemanha, na França e na Itália (ver também Glyn, 2006).

Tabela 1. Pobreza e exclusão social

Fonte: Eurostat, 2014.

De 2001 até hoje, o coeficiente de Gini aumentou na Alemanha de 25 para 29,7%, na França de 27 para 30,1%, na Itália de 29 para 32,5% e na Suécia de 24 para 24,9%. A exceção é o Reino Unido, onde a desigualdade diminuiu de 35 para 33,2% (Eurostat, 2014).

Em 1963, o filósofo alemão J. Habermas (ver Dussel, 2001) observou que, nos países ricos, como na Europa, nos EUA e no Japão, a qualidade de vida – mesmo nos setores pobres – aumentou tão intensamente que O interesse pela emancipação da sociedade não pode mais ser expresso em termos econômicos. Townsend, na década de 1960, informou que a pobreza no Reino Unido era próxima de 1% devido à grande prosperidade, à diminuição da desigualdade e à implementação do estado de bem-estar social ( Townsend, 1962, ver também Sen, 1985; Duménil e Lévy, 2001Glyn , 2006). As opiniões de Habermas e Townsend foram indubitavelmente influenciadas pela expansão econômica após a guerra. No entanto,McNally (2011, 38) afirma que a Era de Ouro foi um evento único na história – "um conjunto excepcional de circunstâncias histórico-sociais que desencadearam uma forma de expansão sem precedentes. Mas a expansão prolongada com níveis crescentes de produção, salários e emprego nas economias principais não é a norma capitalista. " Taxas de crescimento altas e sustentadas, juntamente com forte participação na força de trabalho, resultaram na redução da pobreza na Era de Ouro do capitalismo.

No entanto, o desenvolvimento das forças produtivas, juntamente com um quadro institucional, não está mais disponível, e a partir da década de 1970, mas principalmente durante a década de 2000, as condições de vida da maioria das pessoas do mundo se deterioraram. "Taxas de crescimento elevadas e sustentadas, juntamente com a forte participação da força de trabalho, resultaram na redução da pobreza na Era de Ouro do capitalismo. No entanto, o desenvolvimento das forças produtivas, juntamente com um quadro institucional, não está mais disponível, e a partir da década de 1970, mas principalmente durante a década de 2000, as condições de vida da maioria das pessoas do mundo se deterioraram. " Taxas de crescimento elevadas e sustentadas, juntamente com a forte participação da força de trabalho, resultaram na redução da pobreza na Era de Ouro do capitalismo. No entanto, o desenvolvimento das forças produtivas, juntamente com um quadro institucional, não está mais disponível, e a partir da década de 1970, mas principalmente durante a década de 2000, as condições de vida da maioria das pessoas do mundo se deterioraram.

Quais são, então, as explicações teóricas para reduções mínimas da pobreza ou para a pobreza crescente no capitalismo? É nossa opinião que as teorias em que as respostas são procuradas são enganosas. Em primeiro lugar, a pobreza foi definida em um sentido clássico e, em segundo lugar, na busca das causas da pobreza, os economistas recorreram a um quadro neoclássico.

3. O conceito de pobreza e suas causas

Existem duas maneiras de abordar o conceito de pobreza nas teorias convencionais. Em primeiro lugar, alguns pesquisadores se recusam a lidar com o conceito. Por exemplo, alguns estudiosos acham que o conceito é evasivo e impossível de entender porque o significado depende das formas de pensar e sentir de cada pessoa (Orshansky, 1969; Samuelson e Nordhaus, 1996). Portanto, se a pobreza não tem uma definição clara porque pode se manifestar em muitas circunstâncias, suas causas não podem ser identificadas. Ao longo desta linha de pensamento, os Estados do Banco Mundial ( 2001, 15):

“Ser pobre é ter fome, ter abrigo e roupas, ficar doente e não ter cuidado, ser analfabeto e não ser educado. Mas para pessoas pobres, viver na pobreza é mais do que isso. As pessoas pobres são particularmente vulneráveis ​​a eventos adversos fora de seu controle. Muitas vezes, eles são maltratados pelas instituições do estado e da sociedade e são excluídos da voz e do poder nessas instituições.”

O Banco Mundial aborda manifestações de pobreza. No entanto, esses tipos de asserções se assemelham a um sofisma: a pobreza não pode ser definida objetivamente e a definição depende do ponto de vista do observador. Usando a metodologia marxista, podemos dizer que essa abordagem é superficial e não trata da essência do problema. Além disso, as manifestações históricas da pobreza são estudadas sem levar em consideração as relações sociais nas quais os indivíduos estão incorporados (Davis, 1981).

Por outro lado, a conceptualização da pobreza está associada a baixos níveis de renda ou serviços públicos, o que pode permitir que os indivíduos realizem um modo de vida mínimo. Esta segunda abordagem tem raízes clássicas. Como Smith (2005, 61) observa:

Um homem deve sempre viver pelo seu trabalho, e seu salário deve pelo menos ser suficiente para mantê-lo. Eles devem, mesmo na maioria das vezes, ser um pouco mais, caso contrário, seria impossível para ele trazer uma família, e a raça desses trabalhadores não poderia durar além da primeira geração

Da mesma forma, D. Ricardo afirma (2001, 71):

O trabalho, como outras coisas que são compradas e vendidas, e que pode aumentar ou diminuir em quantidade, tem seu preço natural e preço de mercado. O preço natural do trabalho é o preço necessário que permite que os trabalhadores, um com o outro, subsistam e perpetuem sua raça, sem aumento ou diminuição

O primeiro componente notável de qualquer definição é que a pobreza está relacionada ao salário e, conseqüentemente, ao emprego, porque, para a maioria das pessoas, a única mercadoria que eles precisam vender é o seu trabalho. Outro aspecto notável é que, em média, as pessoas devem comandar os recursos apenas para sobreviver. É nossa opinião que essa maneira de pensar cria inerentemente diferentes categorias de seres humanos e permite a desigualdade.

Em outras palavras, é legítimo que alguns seres humanos vivam no mínimo com alimentação, saúde, educação, habitação, etc., deficiente. Por outro lado, pessoas ricas podem comandar todas as instalações. 2 Um capitalista argumentaria que a vida é uma corrida aberta, onde todas as pessoas têm oportunidades iguais. Os verdadeiros vencedores superam todas as desvantagens e, se as pessoas pobres aguentam, podem ser afluentes. O que é realmente conhecido, de fato, é que as pessoas que nasceram pobres provavelmente continuarão pobres e as pessoas ricas continuam sendo ricas ( Glyn, 2006). Nascer na África, na Índia, no Haiti ou no Bronx não é o mesmo que nascer nas ricas montanhas da Suíça.

Além disso, é sabido que o dinheiro é poder ( Lapavitsas, 2006), e os capitalistas usam seu dinheiro para determinar a esfera da política e da cultura. Na sociedade ateniense, Aristóteles (2001) afirmou que o dinheiro não era um fim em si, mas era subordinado à política. A burguesia, no entanto, aprendeu a usar seu dinheiro para comprar políticos, intelectuais e / ou uma boa educação. Portanto, os pressupostos de Marshall e Hayek de que os capitalistas são neutros e não usam seu poder são falsos.

Não obstante o ato de reduzir os seres humanos para viver ao mínimo, esta abordagem é seguida por países, organizações internacionais e muitos pesquisadores. Em primeiro lugar, a União Europeia (UE) (Eurostat, 2010, 9) afirma:

Na prática, a UE mede a pobreza de forma relativa, que é estabelecida nos 60% do rendimento disponível médio mediano equivalente depois das transferências sociais

… o Conselho de Ministros da UE acordou em 1985 e segundo o qual os pobres são "as pessoas cujos recursos (materiais, culturais e sociais) são tão limitados para excluí-los do modo de vida mínimo aceitável no Estado-Membro ao qual eles Pertencem.

Na prática, a UE mede a pobreza de forma relativa, que é estabelecida nos 60% do rendimento disponível equivalente mediano nacional depois das transferências sociais. Ainda assim, mesmo na UE, a ideia de um modo mínimo de vida persiste. A maioria das pessoas na UE está acima do nível de sobrevivência, mas muitos comandam apenas o mínimo para funcionar adequadamente nos países da UE. Em segundo lugar, nos EUA, uma linha de pobreza foi estabelecida com base em uma cesta de produtos que abrange os requisitos mínimos de vida (uma cesta de bens que contém o custo dos requisitos nutricionais mínimos multiplicados por 3). Portanto:

O índice Orshansky [é] baseado na noção de uma cesta fixa de bens e serviços que se acredita constituir as necessidades básicas da vida. Qualquer família com uma renda insuficiente para comprar essas necessidades é considerada pobre. No entanto, o que constitui uma renda mínima de subsistência é claramente socialmente definido e, portanto, variará entre culturas e períodos históricos (Sawhill, 1988, 1076)

Em terceiro lugar, o Banco Mundial define a pobreza (1990, 25) como: "como" a incapacidade de atingir um padrão mínimo de vida ". Segundo a Konkel (2014), o Banco Mundial tem sido tão influente que marginalizou o uso de outros Conceitos de pobreza. Assim, uma miríade de governos e pesquisadores seguem essa linha de pensamento, incluindo o Comité Técnico (2002), Fischer (1992), Gafar (1998) e Klugman e Braithwaite (1998). Mesmo as modernas abordagens heterodoxas da pobreza definem-na na mesma linha. Sen ressalta (1985, 669, veja também 1983; 2000): "Pobreza é" não ter algumas oportunidades básicas de bem-estar material – a falta de determinadas capacidades mínimas ".

Vimos que ser pobre significa viver com privações, mas essas privações não precisam ser tão grandes para impedir o acesso a alimentos básicos, saúde, educação, etc. Existem muitas commodities no mundo e muitas maneiras de viver, mas muitos deles não são acessíveis aos pobres. Em conclusão, nos países capitalistas algumas pessoas devem ser privadas, mas não ao ponto que é insuportável para a sociedade capitalista. O que é insuportável, por sua vez, depende de cada país e muda ao longo do tempo.

Para resolver a pobreza, na forma clássica de pensar, o capitalismo deve ser expandido para garantir salários mais altos para os trabalhadores. No entanto, a explicação mais popular sobre as causas da pobreza vem do lado neoclássico. Em poucas palavras, a sobrevivência das pessoas depende da sua doação, numa pura economia de mercado; A sobrevivência depende do que é pago pela venda da força de trabalho. Então, a eliminação da pobreza torna necessários salários crescentes. No entanto, no ponto de vista neoclássico existe um problema. Se a procura de mão-de-obra depende da produtividade marginal do trabalho, e a oferta de mão-de-obra depende dos sacrifícios que os trabalhadores produzem em termos de abandono do tempo de lazer, ter salários mais altos implica que os trabalhadores sacrificam mais tempo de lazer para ganhar mais dinheiro 3, um aumento de salário Implica que as pessoas podem escapar da pobreza, Mas as conseqüências negativas serão o aumento do desemprego, porque a demanda trabalhista será reduzida. Marshall ressalta as conseqüências de exigir salários acima da produtividade marginal do trabalho ( 1887, XII):

Se eles tentam forçar os salários tão elevados que deixem um lucro muito escasso para seus empregadores apenas no momento em que eles esperam fazer a melhor safra, o capital será desencorajado de entrar no comércio; Provavelmente, mesmo muitos dos que a deixaram, deixarão quando o trabalho ficar fraco, mesmo que não falhem quando o primeiro toque de depressão vem. Os homens terão dificuldade em obter emprego e, provavelmente, perderão mais do que tudo o que ganharam com suas demandas extremas, mesmo que elas sejam bem-sucedidas em primeira instância; O ganho líquido para si será pouco ou nenhum, a perda líquida para seus empregadores será muito grande; Suas reivindicações serão injustas.

Por outro lado, há atividades com uma baixa produtividade marginal do trabalho que garante salários tão baixos, que um aumento no emprego precipita uma queda abaixo da linha de pobreza. Um exemplo desse fenômeno foi a mulher na força de trabalho na indústria têxtil na Inglaterra durante o século 19 , "onde os salários habituais são muito baixos para sustentar uma vida saudável" (Marshall, 1887, XI). Nesses casos, Marshall sugere que capitalistas e trabalhadores podem chegar a acordos sem usar seu poder. Este argumento é totalmente falso, uma vez que o neoliberalismo marcou o declínio dos salários para aumentar a taxa de lucro para os capitalistas (Duménil e Lévy, 2001). Ao fazê-lo, os capitalistas usaram seu poder para derrotar sindicatos e inibir sua organização, e para transferir recursos das pessoas pobres para os ricos. Também é falso que salários mais altos implicam uma maior taxa de desemprego. A Figura 5 relaciona a relação entre o salário por hora e a taxa de desemprego para os países europeus em 2013; Uma linha reta com inclinação negativa é a melhor maneira de descrever os pontos. O resultado da regressão linear é: 4

Taxa de desemprego = 12.65842 – 0.14146 * salário por hora

Salários desempregos EUA
Figura 5. Salários e taxa de desemprego

Fonte: elaboração do autor com dados do Eurostat, 2014 .

O aumento do salário por hora provoca uma diminuição da taxa de desemprego de 0,14146 pontos. Claro, os resultados dessa regressão são apenas um exercício acadêmico, mas a intercepção e o coeficiente são significantes (ver Tabela 2A no apêndice). R2 é de 28% e os testes de diagnóstico de forma funcional, heterocedasticidade, autocorrelação e normalidade nos resíduos são preenchidos satisfatoriamente (ver Tabela 3A no apêndice). Portanto, os salários baixos não implicam altas taxas de emprego. Pelo contrário, os salários baixos implicam altas taxas de desemprego. Não há argumentos para a flexibilidade do trabalho.

Por que então, se os pressupostos clássicos e neoclássicos podem ser falsos, eles são tão dominantes hoje? Podemos destacar dois fatores: (1) o fracasso do Estado keynesiano em resolver a crise mundial de 1973/1974 e (2) o fracasso da economia do desenvolvimento na eliminação da pobreza e desigualdade, apesar das altas taxas de crescimento de 25 anos em Terceiro Países do mundo.

4. O fracasso da economia keynesiana e de desenvolvimento

Como é sabido, um estado keynesiano dominou a política econômica da grande maioria dos países ocidentais, desde a Segunda Guerra Mundial até a década de 1970. As políticas estabelecidas favoreceram o setor industrial mais do que o setor financeiro e, além disso, o Estado keynesiano construiu infra-estrutura. Além disso, nos países europeus, o trabalho organizado conquistou a prestação de alguns serviços públicos, como saúde, educação, fundos de pensão, etc. Nos Estados Unidos, a implementação de um estado de bem-estar social foi alcançada em menor grau, mas na década de 1940 o United Mine Dos trabalhadores ganhou alguns direitos nos fundos de saúde e pensões ( Rosenberg, 2003; Rahman 2012), na década de 1960, o trabalho organizado alcançou cuidados de saúde para idosos (Medicare) e os pobres (Medicaid) E na década de 1970, ainda mais empresas privadas e o governo deram planos de saúde mais abrangentes ( Le Blanc, 1999). No entanto, após 25 anos, o estado keynesiano não conseguiu resolver a crise de 1973/74. Os decisores políticos aumentaram a despesa pública, mas uma alta taxa de inflação logo se seguiu.

Esse fenômeno de estagnação com alta inflação levou os especialistas neoliberais e neoclássicos a afirmar que apenas o mercado era eficiente. Outra vitória para a economia neoclássica foi o fracasso da economia do desenvolvimento, que floresceu da Segunda Guerra Mundial para a década de 1970. Esta escola realizou três princípios: (1) todas as nações do mundo beneficiaram de uma alta taxa de crescimento econômico; Não havia vencedores e perdedores; (2) os países subdesenvolvidos tinham excesso de mão-de-obra no setor rural que deveria ser transferido para áreas industriais, E (3) países pobres precisavam se industrializar através de investimentos elevados. Se esses pontos, mencionados anteriormente, não pudessem ser alcançados através de uma burguesia nacional porque era muito fraco, o Estado deveria ter intervindo para fornecer infra-estrutura básica e incentivos.

Se a procura de mão-de-obra depende da produtividade marginal do trabalho, e a oferta de mão-de-obra depende dos sacrifícios que os trabalhadores fazem em tempos de lazer, ter salários mais altos implica que os trabalhadores sacrificam mais tempo de lazer para ganhar mais dinheiro, então um salário aumentado implica As pessoas podem escapar da pobreza, mas as conseqüências negativas serão o aumento do desemprego, porque a demanda trabalhista será reduzida

Os economistas neoclássicos e neoliberais alegaram que a maneira mais eficiente de alocar recursos era através do mercado e não do estado, e os projetos de industrialização nacional foram abandonados. A maioria dos países pobres tornou-se novamente exportador de commodities e problemas que já existiam à medida que as assimetrias entre áreas rurais e urbanas eram exacerbadas

Sen (1985) ressalta que altas taxas de investimento resultaram em industrialização e crescimento econômico subseqüente de 1960 a 1980. No entanto, ocorreu uma falha quando países com taxas de crescimento elevadas e sustentadas não aumentaram a expectativa de vida ao nascer, reduzem a mortalidade ou diminuem a desigualdade.

Então, a economia do desenvolvimento tinha críticas em todos os lugares (Hirschman, 2005). A escola de dependência veio da esquerda, argumentando que a economia do desenvolvimento era muito moderada. Indubitavelmente, porém, os críticos mais influentes vieram da direita. Os estudiosos conservadores apontaram que a economia do desenvolvimento era radical e que a intervenção estatal era perniciosa na economia, como demonstrado na crise da dívida latino-americana de 1982. Os economistas neoclássicos e neoliberais alegaram que a maneira mais eficiente de alocar recursos era através do mercado E não o estado, e os projetos de industrialização nacional foram abandonados. A maioria dos países pobres tornou-se novamente exportador de commodities e problemas que já existiam à medida que as assimetrias entre áreas rurais e urbanas eram exacerbadas.

5. Rumo a uma crítica do conceito e das causas da pobreza

Enquanto neoclássicos e neoliberais não reconhecerem os problemas inerentes ao capitalismo, eles não podem explicar a pobreza. Acreditamos que o conceito de pobreza envolve dois componentes: (1) privação das condições materiais para a reprodução da sociedade e (2) incapacidade de desenvolver todas as capacidades dos seres humanos. O último é um componente qualitativo, enquanto o primeiro é um componente quantitativo. O primeiro componente deve ser superado antes que o segundo possa ser abordado, mas o cumprimento do primeiro não envolve a realização do segundo (ver Marx, 1959). Um mundo sem pobreza envolve a satisfação de ambos os componentes. Vamos examinar este argumento mais de perto.

Em geral, para garantir a reprodução material da sociedade (o primeiro componente do nosso conceito de pobreza), um ato econômico consiste em cinco momentos (ver Dussel, 2001):

1. Um assunto tem uma necessidade material. 2. O assunto tem que funcionar para viver. 3. O assunto em uma sociedade tem que apropriar a natureza. 4. Na sociedade, o sujeito produz um produto (que pode ser inteiramente para o trabalhador como no caso do comunismo primitivo ou pode ser dividido entre as classes). 5. A sociedade eo assunto consumem (cada classe é reproduzida como tal).

Como os seres humanos não têm a reprodução material garantida, a pobreza em seu aspecto material sempre existiu na humanidade. No entanto, cada modo de produção tem suas próprias características. Três padrões, que podem ser vistos na Figura 6, podem ser distinguidos: (1) toda a população está em pobreza devido ao mau desenvolvimento das forças produtivas e a reprodução material da sociedade não está totalmente garantida (segunda linha vertical, esta situação pode Seja o caso do comunismo primitivo); (2) na população são ricos e pobres, o que seria o caso dos modos de produção, como escravidão, feudalismo e capitalismo (linha diagonal); E (3) na população que não há pobreza, como é o caso do socialismo devido à alta produtividade e a diferentes tipos de instituições (linha horizontal alta).

Socialismo sem pobreza

Figura 6.

Pessoas pobres e não pobres em diferentes modos de produção

No entanto, o referido ponto 2 precisa de esclarecimentos. A escravidão, o feudalismo e o capitalismo têm em comum a existência de exploração. Nos dois primeiros modos de produção, as forças produtivas são pouco desenvolvidas, de modo que a existência de pobreza em termos materiais é, de certo modo, inevitável. Enquanto isso, no capitalismo, mesmo quando há exploração, a especificidade é o alto grau de desenvolvimento das forças produtivas; A pobreza poderia ser eliminada em termos materiais, como Karl Marx menciona (1887, 430):

Sob as condições de acumulação supra até agora, quais condições são as mais favoráveis ​​aos trabalhadores, sua relação de dependência do capital assume uma forma suportável ou, como diz Eden: "fácil e liberal … Uma parte maior de seu próprio produto excedente , Sempre aumentando e continuamente transformado em capital adicional, volta a eles na forma de meios de pagamento, para que eles possam estender o círculo de suas diversões; Pode fazer algumas adições ao seu fundo de consumo de roupas, móveis, etc., e pode estabelecer-se com pequenos fundos de reserva de dinheiro. Mas, tão pouco quanto melhor roupa, comida e tratamento, e um maior peculiar, acabam com a exploração do escravo, tão pouco eles deixam de lado o trabalhador assalariado.

O capitalismo pode potencialmente eliminar a pobreza material, mas é incapaz de fazer por causa de: (1) o propósito do capitalismo é lucrar no curto prazo, e não a reprodução material dos seres humanos. Por exemplo, pela lei da acumulação capitalista, o capitalismo sempre cria um exército de trabalho de reserva. É bom ter muitos trabalhadores sem emprego, portanto, os salários podem diminuir porque os trabalhadores compitam por um trabalho para sobreviver, também, é bom a chamada flexibilidade do trabalho (2) O capitalismo é propenso a crises que tornam a sociedade mais pobre Cada vez que ocorre uma. Assim, quando o capitalismo está se expandindo, pode usar mais trabalho ou menos, dependendo do grau de acumulação e taxa de exploração, mas quando ocorre uma crise, as condições materiais da população são severamente degradadas, o que exacerba a pobreza. Então,

AX + bY = W

Onde X é o número de pessoas pobres , Y é o número de pessoas não pobres , a é a dotação total das pessoas pobres (principalmente salários), 5 b é a dotação total das pessoas não pobres (capital e renda) e W é A riqueza total da sociedade. No capitalismo, a pobreza material pode ser reduzida somente por:

1.
Um aumento em W , mantendo constante a e b (sem conflito de classe);
2.
Uma melhoria na distribuição da riqueza (o capitalista perde);
3.
Redução do limite da linha de pobreza (pessoas que vivem no nível mínimo); O capitalista ganha.

O capitalismo pode acabar com a pobreza material, mas o capitalismo é propenso a crises, ou buscar lucros maiores reduzem os salários reais dos trabalhadores, aumentando assim os níveis de pobreza, como foi o caso no período neoliberal. Se o capital e a renda fossem redistribuídos, o capitalismo não mais existiria, de modo que a solidariedade, cooperação e redistribuição não são características fundamentais do capitalismo. Os pontos criados nesta Seção 5 estão resumidos na Tabela 2. A primeira coluna indica o tempo, a segunda coluna representa os modos de produção, a terceira coluna mostra se a reprodução material da sociedade é ou não garantida em cada modo de produção e a última coluna mostra se os seres humanos podem ou não realizar suas capacidades completas (verdade desenvolvimento). O capitalismo pode acabar com a pobreza material em termos teóricos pelo menos potencialmente; No entanto, o tipo de pobreza que o capitalismo não consegue eliminar é onde os seres humanos são explorados porque, no capitalismo, homens e mulheres são apenas trabalhadores e suas vidas são dedicadas a servir os outros. A exploração sempre existe e as pessoas não podem desenvolver seu potencial humano completo porque são apenas commodities. Sen (2000, 7) argumento "louvado pelo capitalismo por Karl Marx … da Guerra Civil Americana … diretamente relacionado à importância da liberdade de trabalho e contrato em oposição à escravidão e à exclusão forçada dos mercados de trabalho" é enganosa e rejeita História e relações sociais. É verdade que Marx em vários escritos elogiou o capitalismo em oposição a outros modos de produção – como no caso da Índia no século 19 -, Mas os mercados pertenciam a um espaço social e histórico que tinha que ser transcendido. Dois exemplos deixam claro o ponto de vista de Marx criticando as instituições capitalistas. Em primeiro lugar, falando sobre propriedade privada e a forma como os seres humanos buscam a satisfação de suas necessidades (1959, p. 49):

Sob a propriedade privada, seu significado é revertido: cada pessoa especula em criar uma nova necessidade em outra, de modo a levá-lo a um novo sacrifício, a colocá-lo em uma nova dependência e seduzi-lo a um novo modo de gozo e, portanto, à ruína econômica. Cada tenta estabelecer um sobre o outro alienígena poder, assim como assim, para encontrar satisfação de sua própria necessidade egoísta. O aumento da quantidade de objetos é, portanto, acompanhado por uma extensão do domínio das potências alienígenas a que o homem está sujeito, e cada novo produto representa uma nova potencialidade de escárnio mútuo e pilhagem mútua. O homem se torna cada vez mais pobre como homem

Mesa 2.

Evolução pobreza história

Em segundo lugar, falando especificamente nos mercados de trabalho, Marx destacou que os trabalhadores tinham que ir além (1975, 78 e 79):

Ao mesmo tempo, e, além da servidão geral envolvida no sistema de salários, a classe trabalhadora não deveria exagerar para si mesma o melhor funcionamento dessas lutas de todos os dias. … " Um salário de um dia justo para um bom dia de trabalho! "Eles deveriam inscrever em sua bandeira a palavra de ordem revolucionária," Abolição do sistema de salários! "

Resolver a pobreza no presente dia não só faz necessário o aumento da produtividade, mas também outro quadro institucional que o mundo não pertence ao capitalismo.

6. Conclusão

Neste artigo, vimos o seguinte: (1) a evolução da pobreza nos Estados Unidos e na Europa, (2) a conceptualização da pobreza e suas causas do ponto de vista ortodoxo (clássico e neoclássico) e (3) a Marx Fundamentos para refutar linhas de pensamento clássicas e neoclássicas. É nossa maneira de pensar que a flexibilidade do trabalho não combina o aumento do volume de emprego, pelo contrário, altos salários provocam alto nível de emprego na União Européia. Afirmamos que a pobreza implica uma privação material, mas também a impossibilidade do pleno potencial humano. Para alcançar a eliminação da pobreza no capitalismo, não só é uma revolução nas forças produtivas necessárias, mas também um novo conjunto de instituições históricas. Claro,

Apêndice.

Taxa crescimento pobreza

References

Aristóteles, 2001AristótelesÉtica a Nicómaco Mestas ediciones, Madrid (2001)

Armstrong et al., 1991P. Armstrong, A. Glyn, J. HarrisonCapitalism since 1945Blackwell, NY (1991)

Brenner, 2002 R. BrennerThe Boom and the Bubble: The US in the World Economy Verso, NY (2002)

 
Census, 2014
Census Bureau. (May 2, 2014). Poverty. Historical Tables. Accessed at http://www.census.gov/hhes/www/poverty/data/historical/people.html
 
Ciocca, 2000
P. CioccaLa economía mundial en el siglo XX
Crítica, Barcelona (2000)

Comité técnico, 2002
Comité técnicoMedición de la pobreza. Variantes y estimación preliminar
SEDESOL, México (2002)

Copertwait and Metcalfe, 2009
P. Copertwait, A. MetcalfeIntroductory Time Series with R
Springer, Baltimore (2009)

Davis, 1981
P.S. DavisThe Concept of Poverty in the Encyclopedia Britannica from 1810 to 1975
Labor History, 21 (1) (1981), pp. 91-101  
 
Department of Labor, 2014
Department of Labor. (November 10, 2014) “Minimum wages.” Accessed at http://www.dol.gov/esa/whd/flsa/.
 
Duménil and Lévy, 2001
G. Duménil, D. LévyCosts and Benefits of Neoliberalism. A class Analysis
Review of International Political Economy, 8 (4) (2001), pp. 578-607

Dussel, 2001
E. DusselHacia una filosofía política crítica
Desclée de Brouwer, Bilbao (2001)

Eurostat, 2010
EurostatIncome Poverty and material Deprivation in European Countries
Eurostat, Luxemburg (2010)

Eurostat, 2014
Eurostat. (November 4, 2014). Population and Social Indicators. Statistical Database. Accessed at http://epp.eurostat.ec.europa.eu/portal/page/portal/statistics/search_database
Gafar, 1998
J. GafarGrowth, Inequality, and Poverty in selected Caribbean and Latin American Countries, with emphasis in Guyana
Journal of Latin American Studies, 8 (4) (1998), pp. 591-617

Glyn, 2006
A. GlynCapitalism Unleashed. Finance, Globalization, and Welfare
Oxford University Pres, NY (2006)

Lapavitsas, 2006
C. LapavitsasRelations of Power and Trust in Contemporary Finance
Historical Materialism, 14 (1) (2006), pp. 129-154  

Lepianka et al., 2010
D. Lepianka, J. Gelissen, W. van OorschotCharacteristics across 28 European Countries Popular Explanations of Poverty in Europe: Effects of Contextual and Individual
Acta sociologica, 53 (2010), pp. 53-70

Le Blanc, 1999
P. Le BlancA short history of the U.S. working class. From Colonial times to the Twenty – first century
Humanity Books, NY (1999)

Lowe, 1989
N. LoweGuía ilustrada de la historia moderna
FCE, México (1989)

Klugman and Braithwaite, 1998
J. Klugman, J. BraithwaitePoverty in Russia during the transition: An Overview
World Bank Research Observer, 13 (1) (1998), pp. 37-58  

McNally, 2011
D. McNallyGlobal Slump: The Economics and Politics of Crisis and Resistance
PM Press, Oakland (2011)

Marshall and Price, 1887
A. Marshall, L.L.F.R. PriceIndustrial Peace
Macmillan and Co., London (1887)

Marx, 1887
K. Marx
Capital. Critique of Political Economy, 3, Progress Publishers, Moscow (1887)

Marx, 1959
K. MarxEconomic & Philosophic Manuscripts of 1944
Progress Publishers, Moscow (1959)

Marx, 1975
K. MarxWages, Prices and Profit
Foreign Language Press, Peking (1975)

Moody’s Analytics, 2014
Moody’s Analytics. (October 8, 2014). Free Economic, Demographic & Financial Data. Accessed at https://www.economy.com/freelunch/
 
Rosenberg, 2003
S. RosenbergAmerican economic development since 1945
Palgrave, Great Britain (2003)

Samuelson and Nordhaus, 1996
P. Samuelson, W. Nordhaus W.Economía
McGraw-Hill, Madrid (1996)

Sen, 1983
A. SenPoor, Relatively Speaking
Oxford Economic Papers, 35 (2) (1983), pp. 153-169

Sen, 1985a
A. SenDevelopment: Which Way Now?
The Economic Journal, 93 (372) (1985), pp. 745-762

Sen, 1985 A. SenA Sociological Approach to the Measurement of Poverty: A reply to Professor Peter Townsend Oxford Economic Papers, 37 (4) (1985), pp. 669-676

Townsend, 1962 P. TownsendThe meaning of Poverty The British Journal of Sociology, 13 (3) (1962), pp. 210-227

World Bank, 1990 World BankWorld Development Report 1990 Oxford University Press, NY (1990)

World Bank, 2001 World BankWorld Development Report 2000/2001. Attacking Poverty Oxford University Press, NY (2001)

Arellano, 2001 D. ArellanoThe “War on Poverty” program (1964) in the USA: Bureaucratic Reaction to a Non-Bureaucratic Organization. How to change Bureaucracies CIDE, México (2001)

Albert and Rizzo, 2012 J. Albert, M. RizzoR by example Springer, Baltimore (2012)

Cornia, 1994 G.A. CorniaPoverty in Latin America in the eighties: extent, causes and possible remedies Giornale degli Economisti e Annali di Economia, 53 (7/9) (1994), pp. 407-434

Hirschman, 2013 A. HirschmanEssential Hirschman Princeton University Press, NJ (2013), p. 2013

Hobsbawm, 1994 Eric. HobsbawmAge of Extremes Abacus, London (1994)

Hayek, 2001 A.F. HayekThe Road to Serfdom IEA, London (2001), p. 2001

IMF, 2007 Internationally Monetary Fund (IMF)World Economic Outlook. Globalization and inequality IMF, Washington D.C (2007)

Levine, 2010 E. LevineLos nuevos pobres de Estados Unidos: los hispanos Porrúa, México (2010)

Keynes, 1964 J.M. KeynesThe General Theory of employment, Interest, and Money A Haverst Book, NY (1964)

Kleiber and Zeileis, 2008 C. Kleiber, A. ZeileisApplied Econometrics with R. Springer, Baltimore (2008)

Orshanky, 1969 M. OrshankyHow poverty is measured Monthly Labor Review, 92 (1) (1969), pp. 37-41

Rahman, 2002 A. RahmanInequality in Our Age Umass, Amherst (2002)

Ricardo, 1985D. Ricardo On the Principles of Political Economy and Taxation Batoche Books, Ontario (1985), p. 2001

Sawhill, 1998 I. SawhillPoverty in the U.S.: Why Is It so Persistent? Journal of Economic Literature, 26 (3) (1998), pp. 1073-1119

Sen, 1999 A. SenDevelopment as Freedom Oxford University Press, New York (1999)

Smith, 1997 A. SmithAn Inquiry into the Nature and Causes of the Wealth of the Nations Penn State, Pennsylvania (1997)1 Universidade Nacional Autônoma do México ( unam ) e Politécnica Nacional do México ( ipn )

O autor gostaria de agradecer a Christine Pickett por sua ajuda e apoio.

1 – De acordo com Levine (2001, 19), o crescimento econômico nos EUA durante a década de 1920 não abrange a classe trabalhadora. No entanto, após a Segunda Guerra Mundial, as condições de vida dos trabalhadores melhoraram.

2 – A Teoria Geral do Emprego, Interesse e Dinheiro defende a existência de disparidades (1964, 374): "Por minha parte, acredito que existe uma justificativa social e psicológica para desigualdades significativas de renda e riqueza, mas não para tão grande Disparidades que existem hoje em dia. Existem atividades humanas valiosas que exigem o motivo da criação de dinheiro e o meio ambiente da propriedade da riqueza privada para sua concretização ".

3 – Assumindo que a economia está na fronteira da possibilidade de produção.

4 A regressão incluiu 29 países da União Européia, exceto a Grécia e a Espanha, que foram identificados como outliers. 5 Os salários, renda e capital são em termos reais.

© 2016 Publicado por Elsevier España, SLU em nome da Universidad Nacional Autónoma de México.

Fonte: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0185084916300330

Postagens Relacionadas:

A Linha da Pobreza aumentou nos EUA, perdendo até para a Venezuela

Martin Luther King: os ativistas anti-capitalistas, baseada na Bíblia

O Populismo é o Resultado da Falha Econômica Global

A Farsa do Livro Negro do Comunismo e dos 100 milhões de Mortos